Escolher o(s) formato(s):

Delabie - Página Inicial
Portugal
  • France
  • International
  • Deutschland
  • Belgique - België
  • GD-Luxembourg
  • Nederland
  • Polska
  • United Kingdom
  • Россия
  • Portugal
  • España
Pesquisa

Acessibilidade : em 2015 será uma realidade ?

Junho 2013

Um grande número dos estabelecimentos de saúde e que recebem público não estarão provavelmente em conformidade com a lei para os Deficientes que prevê a acessibilidade a partir de 1 de janeiro de 2015. No domínio sanitário, ainda se aguarda que os equipamentos correspondam às exigências regulamentares, bem como às necessidades de uma população envelhecida com perda de autonomia.

Daqui um ano e meio, os Edifícios que Recebem Público (ERP) e instalações abertas ao público (IOP) devem ser capazes de acolher pessoas com mobilidade reduzida ou com perda de autonomia, em conformidade com a lei de 11 de fevereiro de 2005 *.

O governo não parece determinado na prorrogação do prazo para a implementação dos textos regulamentados, mesmo se tivesse visto que muito ficou por ser feito. A mobilização e sensibilização de alguns atores permitiu que parte das instituições procedesse às alterações impostas pela lei, depois de um grave diagnóstico da situação e procurando as soluções mais simples e eficazes. Mas outros preferiram adiar o trabalho e até mesmo inerente à reflexão do tema, sem dúvida sobre a capacidade dos grupos de pressão para influenciar decisões do poder legislativo. "Tecnicamente inviável", "muito caro", são os termos mais frequentemente utilizados nas discussões. O contexto económico nos últimos anos não levou a que se tivessem mais despesas. Muitas das instituições aguardam a data ansiosamente, sem resolver as suas dificuldades financeiras e outros que não conseguiram contornar as limitações técnicas em edifícios existentes.

2015, uma primeira etapa

Entre os pedidos de isenção de acessibilidade para os Edifícios que Recebem Público (ERP) existentes, instruídos pelos comités consultivos departamentais de segurança e acessibilidade (CCDSA), o custo de desenvolvimento é um argumento importante mas insuficiente. Deveria conduzir a soluções duráveis e pragmáticas, menos dispendiosas e soluções que perdurassem no tempo. O relatório Campion entregue sobre acessibilidade, em março de 2013 e algumas propostas para a adaptação das normas a seguir estão a ser estudadas. Um plano de apoio do governo deverá ser anunciado pela comissão interdepartamental dos deficientes que deverá reunir em junho.
Além da obrigação, em 1 de janeiro de 2015 poder ser visto como um passo decisivo na adaptação necessária da nossa sociedade para uma realidade que não diz respeito apenas às pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, mas sim a cada um de nós.

Ter em conta o envelhecimento da população

Mais que o respeito pela lei, trata-se da solidariedade de uma sociedade para que as pessoas com perda de autonomia tenham a possibilidade de aceder a todos os locais públicos. Atualmente, 23% da população tem mais de 60 anos e 7% sofrem de deficiência. Daqui a 15 anos, uma em cada 5 terá perda de autonomia pelo simples facto do envelhecimento da população. De acordo com as projeções do Insee, a proporção de pessoas com mais 60 anos aumentará em França para 31% em 2035. Até à data, as pessoas com mais de 75 anos devem representar 13,6% da população e o número de pessoas dependentes deverá ser 1,55 milhões (até 1,15 milhões em 2007).

O impacto deste fenómeno será sentido em muitos aspetos da vida social, e ainda mais do que o número pessoas a ajudar, também diminuirá o número de pessoas (os filhos dos «baby boomers» também envelhecem, e são menos numerosos do que os seus pais). O acolhimento de pessoas dependentes ou com perda de autonomia nos estabelecimentos a eles dedicados irá certamente aumentar nos próximos anos.

Uma resposta adaptada

A reorganização dos espaços sanitários e dos seus equipamentos é uma das missões a cumprir de modo a estar em conformidade com a lei. A DELABIE, especialista em produtos sanitários, propõe uma oferta de equipamentos específicos para edifícios públicos e, nomeadamente, estabelecimentos de cuidados de saúde e unidades hospitalares. Barras de apoio em Inox bacteriostático ou em Nylon HR, bancos de duche rebatíveis ou amovíveis, acessórios diversos, … Os produtos da gama Acessibilidade e Autonomia são extremamente robustos e preparados para resistir às solicitações mais intensivas. Pensados para responder às fortes exigências de higiene, são fáceis de limpar e de manter e a sua elevada ergonomia promove uma utilização fácil e segura. Estão disponíveis em formas e materiais modernos e o seu design foi projetado de modo a minimizar a sensação dos ambientes hospitalares, frios e sem sensibilidade. Concebidos para se integrar perfeitamente nos espaços sanitários acessíveis a todos, estes produtos promovem o bem-estar diário das pessoas, independentemente do seu grau de autonomia.

* Lei 2005-102 para a igualdade de direitos e oportunidades, participação e cidadania das pessoas com deficiência.

Opinião de um especialista

André Augst, engenheiro de acessibilidade e vice-presidente da CEP-CICAT

« No terreno, não tem havido nenhuma rejeição da lei mas essencialmente as perguntas sobre como financiar a sua aplicação num contexto económico difícil. Nos sanitários, os fabricantes desenvolveram produtos e sabem como fazer evoluir. As respostas técnicas existem para permitir a acessibilidade de todos a todos os tipos de instalações. Provavelmente nem todos estarão prontos dentro do prazo a 1 de janeiro de 2015, mas estou otimista sobre a evolução das mentalidades. Esta lei marca a noção de uso da maioria e obriga-nos a pensar em escalabilidade. Embora não seja fácil projetar relativamente a uma maior dependência, ela é inevitável com o envelhecimento da população.»